Um dia comum

Um dia comum

Uma rua deserta. Casas velhas. Algumas árvores secas. Uma pedra. Sol a pino.

Surgiram mãe e filho de mãos dadas no horizonte. Ela paciente. Ele decobrindo o mundo. Pareciam felizes.

A mãe mais velha do que era e menos feliz do que se mostrava, não se dava conta disso, pois parou de fazer perguntas há muito tempo.

O filho tinha seis anos e sem dúvidas era feliz. Exergava na mãe uma rainha linda e sábia. Ela simplesmente sabia de tudo. De tudo!

Filho: Mãe quem mora nessa rua?

Mãe: Um monte de gente.

Filho: E o que eles estão fazendo agora?

Mãe: Devem estar descansando.

Filho: Eles tem filhos?

Mãe: Tem, todo mundo tem filhos.

Filho: Por quê?

Mãe: Por que os filhos são uma bênção.

Filho: Mãe o que é benção?

Mãe: É como essa árvore.

Filho: Mas o que é benção?

Mãe: É um presente.

Filho: Eu sou um presente?

Mãe: É, meu amor.

Filho: E você é um presente da vovó e do vovô?

Mãe: Isso mesmo.

Filho: Mãe, quem fez a pedra?

[Silêncio]

Mãe: Foi Deus meu filho.

[Silêncio]

Mas como foi que ele fez isso?

[Silêncio  grande]

Seguiram em silêncio.

Pollyanna Monteiro

Anúncios

Sobre vivibezerra

Alta. Cachos. Andar saltitante. Interessada num monte de vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: